domingo, 24 de março de 2019

Algumas dores.

Imagine que você tem um corte enorme na barriga, mas não pode ser socorrido, você pega uma jaqueta de couro de zíper, ela é apertada, então você a coloca de maneira que a ferida não possa sangrar e isso funciona até que você possa ser atendido de maneira correta. Às vezes eu acho que é exatamente isso que eu faço com a minha dor, mas no lugar de procurar atendimento, eu vou vivendo dessa forma.
Porque eu sei que o tratamento vai me causar dor até meu corpo se curar. Porque o processo todo vai custar muito de mim.
Antes de contar para meus pais que eu sou homossexual eu sentia que cada coisa que eu ocultava da minha vida, cada pequena mentira que eu contava para encobrir partes da minha vida me causava um pequeno corte e a cada visita, a cada contato com eles eu sempre voltava para casa com um nó na garganta e ele me acompanhava por alguns dias. Mas eu sempre ignorava essa dor, eu sempre a coloquei em segundo plano, eu renunciava a dor como eu renunciava a mim.
Em um domingo de 5 de junho de 2016 eu escrevi o texto do link abaixo
http://lunatica-reticencias.blogspot.com/2016/06/uma-garota.html
Eu lembro de segurar as lágrimas quando eu escrevi, lembro que alguns amigos leu e me deu um apoio moral, lembro da minha companheira me dando um afago no ombro em silêncio dizendo que estava comigo.
No dia 24 de maio de 2017 eu juntei toda a coragem que eu possuía, chamei meus pais em uma chamada de vídeo e disse que precisava conversar com os dois, eu tinha escrito uma carta para ler porque eu sabia que não ia achar palavras, mesmo assim comecei a chorar e não conseguia falar. Fiquei cerca de cinco minutos chorando e meus pais desesperados tentando saber qual era o problema.
Bom, o problema é que não deveria ser problema, eles ficaram tentando adivinhar enquanto eu estava em prantos.
“Você está doente? ”, “Esta gravida? ” e etc.
Quando eu finalmente consegui ler e dizer que eu sou lésbicas veio as negações, me pediram para eu ficar sozinha, minha mãe ficava dizendo que eu era uma menina, que eu era linda e meu pai disse que eu parti o coração dele. Enfim tinha chegado o dia que eu tinha decepcionado os dois por igual.
Foi um dia difícil como eu esperava que fosse, e já teria sido muito difícil se meus irmãos ficassem apenas imparciais, mas eles ficaram contra mim e tomaram que poderiam me falar algumas palavras cruéis que não cabiam a eles. Palavras que se tivessem vindo dos meus pais seriam difíceis de receber, mas ainda assim eu teria engolido, eu devo toda a minha criação a aqueles dois e isso e todo o respeito que eu tenho pelos mesmos me fariam aguentar.
Mas nada na minha vida me faria pronta para aquele dia, acho que se eu vivesse cem anos eu não estaria pronta para aquele dia.
Após aquele dia eu tentei segui com a minha vida o mais normal possível, tive que lidar com algumas coisas corriqueiras e com o silencio que se seguiu da minha mãe e dos meus irmãos. Meu pai seguiu em negação, falando que ia rezar por mim por um tempo até que o mesmo também se calou.
O silencio se seguiu por mais de um ano e eu não tinha coragem de quebrar, eu não conseguia mais me frustrar, eu me sentia tão quebrada. E apesar de todas as coisas boas, apesar de todas as pessoas boas que estavam ao meu redor, eu sempre carregaria esta dor.
Ano passado eu mandei feliz dia dos pais para meu pai e ele me respondeu agradecendo e dizendo que dispensava. E foi como um soco no estomago, os meses passaram e no dia seguinte ao aniversário da minha mãe mandei parabéns para ela, disse que não tinha esquecido e que estava mandando no dia posterior porque fiquei com medo de estragar o dia dela, eu disse que estava com saudades e ela me respondeu dizendo que também sentia minha falta.
Aquela mensagem foi como uma brisa no verão, era um pequeno passo, mas era um passo importante. Um mês depois a esta mensagem minha mãe me procurou e nós nos vimos após mais de um ano.
Naquele encontro houve muito silencio, mas houve um abraço muito apertado seguido de muito choro, de muita saudade e de muito amor. Está sendo difícil para nós duas, mas a gente tem se visto sempre que da desde então e estamos tentando nos aproximar, mas é sempre muito difícil, ela quer a filha de antes, a filha que ela criou na mente dela, a filha que meu silencio e pequenas mentiras ajudaram a criar.
E eu não quero mais me renunciar, eu não mudei muito, mas agora tem uma parte da minha vida que eu não escondo mais e isso custa muito para ela e também custa muito para mim. Hoje eu a vi e ela me parece bem melhor do que no primeiro encontro, mas ainda temos um longo caminho e sei que esse longo caminho é dolorido para mim e para ela e no meio disso tudo, o nó que eu sentia a cada visita permanece lá.

domingo, 22 de julho de 2018

O primeiro...


Acho que você sabe que está com a pessoa certa quando no decorrer do dia você lembra-se de alguma brincadeira que ela fez durante a semana e se pega rindo sozinha. Acho que um relacionamento saudável tem muitas brincadeiras e naturalmente alguns desentendimentos!
Tem dias que vocês ficam jogadas no sofá vendo série ou uma na TV e outra no celular, tem dias que você não lembra que a tecnologia existe e fica papeando e na hora que vê as horas já estão bem avançadas.
Você ama ser dona da situação e isso me enlouquece, você acorda com uma energia e tudo parece tão simples para você! Eu não acordo me movo por horas ate acordar, os poucos detalhes que levo da manhã é o seu beijo de bom dia, e você deve levar os minutos que leva para me acordar, me desculpe por isso.
Se algo acontece, você a primeira pessoa que eu quero contar sendo algo bom, ruim ou uma bobeira qualquer, a rotina muitas vezes pesa, mas sei que quando chegar em casa eu posso me recarregar nos seus braços, seja em um abraço apertado ou em uma dança (sem ritmo, algumas vezes no silencio) ou em um beijo quente.
Eu olho para minha vida e me encontro feliz, com saúde, com a pessoa que eu amo e batalhando por um futuro melhor! A vida por horas desalenta a gente, mas é importante encontrar algo que te faça sorrir e você é meu motivo para sorrir.
Feliz um ano de casamento meu amor, que seja o primeiro de longos e maravilhosos anos! Que nunca falte amor, que nunca falte dialogo, que nunca falte paciência e coragem para nós, te amo com todo o meu coração.

"Oh, oh, eu estarei lá
Quando precisar de um pouco de amor, tenho amor para dar
Sim, eu vou, eu vou, eu vou aparecer
Você nunca estará sozinho, estarei lá por você
Estarei lá, estarei lá por você
Estarei lá, estarei lá por você
Oh, eu juro, tenho amor suficiente para dois, oh, oh
Você nunca estará sozinho, estarei lá por você"


I'll Be There
Jess Glynne

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Primeiro texto do ano.

Eu tenho muitos planos na minha mente e não faço nada, sabe aquele ditado “nadou, nadou e morreu na praia”. Muitas vezes me sinto assim em relação a minha vida profissional e isso meus caros, da um enorme desespero.
Não é como se fosse a única coisa que importa na minha vida, tem mais, tem muito mais ou não, rs. Mas ser bom profissionalmente garante estabilidade (ou pelo menos deveria garantir) e na verdade acho que é isso que eu sinto falta.
Eu tenho muito medo de daqui a 40 anos estar sentada no sofá e descobrir que eu falhei comigo. Acho que venho falhando, ou pelo menos é o que venho sentindo nos últimos anos.
Eu me sinto tão perdida, é como se eu não me encaixasse em lugar algum, é como se eu não fosse boa em nada. Com esses pensamentos e sentimentos eu me sinto cada dia mais desmotivada e por mais que eu tente enxergar além do meu redor, eu não consigo.
Durante minha vida tantas pessoas colocaram boas expectativas em mim e eu não os correspondi a altura. Eu sempre os decepcionei e me decepcionei.

Começo o ano reclamando! rs

domingo, 3 de dezembro de 2017

Retrospectiva


Bom, cá estou novamente, esses dias tuitei uma retrospectiva no twitter colocando o que tinha sido bom, ruim e o que não sabia se era bom ou ruim. Esses dias me peguei pensando nisso e me dei conta que nem coloquei meus dois acidentes de moto, minha perca de memória que graças a Deus passou no mesmo dia.
Hoje fui falar do acidente e me dei conta que não lembro como foi o exame de tomografia e minha memória já estava praticamente completa. Tudo bem, eu não tenho boa memória de qualquer forma.
Acidente do qual poucas pessoas ficou sabendo, os poucos que sabem julgam que tenha sido psicológico e eu sou obrigada a concordar que provavelmente foi, foi um ano com muitas coisas boas sim, mas psicologicamente falando foi extremamente desgastante, tão desgastante que me perdi ate com as palavras e isso deve ate ter agravado o meu estado que já não era dos melhores. Desde muito nova eu tenho as palavras como uma válvula de escape, antes do blog, era um caderno, afoguei ele no tanque, joguei fora e fiquei mais uns bons anos sem escrever.
Por que parei de escrever? Em parte ainda tenho muito disso, eu achava bobo e as pessoas tem uma mania muito grande de diminuir os problemas dos outros e eu era essa pessoa, diminuía os problemas dos outros e os meus próprios.
Pra ser bem honesta eu ainda trabalho bastante isso, não diminuir nunca o sentimento de ninguém nem os meus. Porem, tenho que admitir que também é um mecanismo de defesa, eu tento diminuir meus problemas para conseguir lidar com os mesmos.
Mas acho que a muito tempo eu não sei lidar com varias coisas na minha vida, varias escolhas erradas, eu não sabia lidar e eu fui colocando as em um canto. O problema é que esse canto se encheu e quando eu olho para ele me da um certo desespero, as vezes fico me perguntando quem eu sou e o que eu fiz?
Na adolescência eu me achava diferente das pessoas da minha família e eles não tinham o preparo para me dar suporte e eu falo com eles e vejo que eles ainda não tem, por sorte tive amigos e alguns estranhos que puderam suprir um pouco desse meu sentimento sobre o mundo. Foi na adolescência também que a aprendi que tudo tem no mínimo dois lados e venho tentando praticar isso desde então.
E vocês poderiam dizer, mas isso é bom não é? É ótimo, eu consigo julgar um pouco menos as pessoas e assim as aceito melhor, porem com essa historia de que tudo tem no mínimo dois lados. Eu imagino quinhentos e cinquenta lados de uma historia e isso me deixa ansiosa e um tanto paranoica.
A questão é que pra onde eu olho eu vejo pessoas quebradas, meus pais são pessoas quebradas, talvez seja normal ser um pouco quebrado, mas ser quebrado dói. Eu só não sei o que estou fazendo aqui, para onde ir, se eu estou melhorando como pessoa...
As vezes acho que estou piorando, eu só queria achar um jeito de ver ou ao menos acreditar que estou melhorando e que tudo vai ficar bem!

domingo, 24 de setembro de 2017

Desabafo

A pessoa casa e some! Abandona ate o próprio blog.
Não é bem por ai, tantas coisas aconteceram e por diversas vezes quis escrever, mas quando chegava na hora, algo me bloqueava. Mesmo agora, me parece difícil lidar com as palavras.
Minha vida mudou muito e ao mesmo tempo não houve tantos fatos acontecendo assim. Me assumi para os meus pais sobre minha orientação sexual e foi tão trágico quanto eu esperava, com direito a corte de relação com algumas pessoas da minha família.
Eu gostaria de dizer que como eu já sabia que ia ser um caos que essa situação não me afetou, mas me afetou sim. E quando uma coisa vai mal, parece que abre passagem para mais coisas irem mal e isso tudo me deixa muitas vezes frustrada e desanimada.
Porem, apesar dos pesares, a vida continua e existem coisas boas. Eu já tinha desistido de encontrar alguém que me fizesse tão bem e estivesse disposta a dividir a vida comigo e isso aconteceu.
Aconteceu de forma rápida e meio embolada, mas foi um momento de felicidade e cercado por pessoas que nos queriam bem. Ela é uma pessoa companheira, amiga, doce, protetora, louca e mimada, uma mulher incrível.
Quando se trata do meu casamento e meu lar, eu me sinto uma pessoa muito abençoada, de verdade, não é todo mundo que tem a sorte que eu tenho. Mas quando falo de outros campos da minha vida, me sinto injustiçada e pra lá de frustrada.
Eu estou batendo na trave dos 30 e quando eu estava batendo na trave dos 20, eu tinha tantos sonhos e contemplava minha vida tão mais estável hoje. Em parte sei que a culpa é minha mesmo, o que me atormenta é não conseguir arranjar uma solução, me sinto presa e imóvel.
Esses sentimentos vem me corroendo, mas apesar de tudo, eu não perco a fé. Talvez eu esteja sim atrasada, mas ainda não parei de lutar, pode ser uma briga tímida, mas ela ainda esta lá, acontecendo...

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Paixão

Aos 27 anos, ok não estou tão velha assim, as vezes olho no espelho e penso isso, as vezes olho e vem na minha cabeça que estou velha. Mas isso não importa agora, o que importa é minha percepção da vida e é o que vim expor hoje.
Na verdade a minha percepção da vida as vezes me deixa um pouco louca, acho que a maioria das pessoas já ouviu que o mundo esta doente e ca entre nós não da para discordar muito disso. Porem eu sou aquela pessoa que vislumbra muitas coisas boas na vida, pessoas que largam tudo em prol de outras, N organizações e pequenos gestos que vemos pelo mundo.
E o que determina o bem e o mal e o sucesso de uma pessoa? Eu não tenho resposta para o bem e o mal, eu tenho apenas a minha resposta que é, desde que você não faça mal para outra pessoa e siga sua vida fazendo o melhor possível para você e quem esta a sua volta, você já é uma pessoa boa para mim.
Eu sei que a coisa toda ficou bem ampla ou não, mas é mais ou menos dessa forma que vejo o mundo, mas tem La minhas exceções, mas isso é muito pessoal. Chega de enrolação, o que determina o sucesso de uma pessoa?
Há alguns anos palestras de motivação e como se motivar fez bastante sucesso entre as empresas e eu acredito mais ou menos nesse caminho. Mas no lugar de motivação eu uso uma expressão melhor, para mim tudo depende de paixão.
Não estou falando de paixão da forma romântica, embora tenha La um certo romance, mas paixão no que fazer na vida. E eu penso que não tenho paixão em nada e isso é assustador, eu não me sinto boa em nada, é como se eu não me encaixasse em nada no mundo.
Eu levo bastante a serio esse lance de paixão, o garoto da favela que sonha em ser artista ou ser jogador de futebol para melhorar de vida e ajudar sua família. A paixão desse garoto é tão grande que a fome que ele passa e a violência a sua volta não o atinge diretamente, essa paixão cria um bloqueio e ele consegue atingir seus objetivos.
Talvez você esteja lendo este texto e pensando, nunca li tanta baboseira, mas quando se trata de paixão, eu realmente não sei me expressar, eu fico perdida. Eu sei que amo as pessoas a minha volta, mas não sei o que a menininha briguenta de 4 anos que não queria crescer seria quando crescesse.
Talvez por não querer crescer acabei sem pensar em um plano B, o problema é que eu cresci e não tive muito para onde correr. O meu corpo foi mudando e com a mudança do meu corpo veio às responsabilidades da vida.
Quando eu forço minha memória, lembro de brincar de bateria no fundo da casa dos meus pais, de dizer que ia ser policial, parte da minha adolescência eu seria advogada, mas a verdade é que eu contemplo a vida e não me vejo se encaixando em nada. E isso me pira muitas vezes, isso faz eu não acreditar em mim, me deixa ansiosa, algumas vezes me tira o sono.
Talvez esta seja a doença do mundo, pessoas que não encontram sua paixão e outras que encontra, mas não conseguem fazer sucesso naquilo e ficam frustradas. Agora me diz, da pra culpar alguém?
Eu poderia dizer que não a esforço que faça você sentir paixão por algo, mas eu posso estar perfeitamente enganada e talvez com esforço eu encontre alguma coisa. Porque sem paixão, eu não consigo me ver daqui 5 anos melhor do que eu estou hoje, sem paixão eu não consigo traçar nenhum plano que me faça estar melhor.
E eu tenho um sonho muito grande de estar melhor e não é para mostrar pra ninguém, é algo por mim, é uma necessidade muito grande de não me sentir fracassada! E os dias vão passando e eu não encontro minha paixão.
Eu me sinto atrasada, sinto que eu deveria estar em transito já, eu me sinto como se eu fosse pegar um ônibus e ele passasse um minuto antes de eu chegar ao ponto. Cinco anos a frente esta logo ali a um passo dos meus olhos e meu medo é ver que nada mudou...

sábado, 17 de junho de 2017

Muitas rosas.

Quando você achar que tudo deu errado e que ninguém vai te ajudar... Talvez você esteja certo, talvez as pessoas ao seu redor não vão te ajudar efetivamente, talvez por falta de condições ou por motivos que só elas mesmas conhecem, mas uma coisa eu te garanto, vai ter sempre alguém que vai te parar e te dizer palavras de conforto.
Ai você pode dizer que isso não muda a situação, não muda mesmo, mas quando você esta na merda, as vezes um bom dia com um sorriso sincero é importante. Pode parecer que ninguém esta do seu lado, mas você vai descobrir que existem mais pessoas torcendo por você no mundo, do que você imagina e isso meu caro, pode ser sua salvação.
Eu sou uma pessoa privilegiada, eu tenho uma pessoa que me apoia e que me deixa apoiar, esse sentimento mutuo é importante pra caralho não é mesmo? Esses últimos meses foi uma loucura, eu poderia dizer, esse ultimo ano.
Foi um ano repleto de coisas boas, de aprendizado, de decepções e surpresas. Eu conheci muitas pessoas que eu não sonhava em ter na vida, mas bem, a vida é sempre uma surpresa não é mesmo?
Eu tive que lhe dar com pessoas que eu já conhecia e que o fato de já conhecer não mudou em nada na decepção que eu espera que iam me causar. Talvez eles tenham ate caprichado mais que o esperado no quesito me decepcionar, mas estamos ai, em pé!
Mas eu acredito que eu só estou de pé, porque eu tenho por quem ficar de pé, eu tenho uma companheira maravilhosa, que não tenho palavras pra descrever o quanto me segurou, o quanto me cuidou e me cuida e eu tenho muita sorte por isso. Então, eu só espero que caso você esteja passando por situações difíceis, espero que você tenha alguém e cara, esse alguém pode ser desde seu cachorro ao tiozinho da padaria que sempre te tratou bem, aguenta firma, a vida não é um mar de rosas, mas nela há muitas rosas!